jusbrasil.com.br
23 de Outubro de 2017
    Adicione tópicos

    Hospitais atraem pacientes estrangeiros

    23 de janeiro de 2015

    Fonte: Valor Economico

    Saúde Institucionais de ponta foram fundadas por imigrantes em agradecimento pela acolhida na cidade Por Genilson Cezar | Para o Valor, de São Paulo

    Um polo de saúde que reúne alguns hospitais criados por comunidades de imigrantes - libaneses, alemães, portugueses, judeus, entre outros -, em retribuição à acolhida na cidade de São Paulo, tornou-se referência em medicina de alta complexidade no Brasil e atrai até pacientes de outros países. É o caso, por exemplo, do Hospital Sírio-Libanês, criado em 1921 por um grupo de imigrantes da comunidade que lhe dá nome, que opera numa área de aproximadamente 100 mil metros quadrados, no bairro paulistano da Bela Vista, atendendo mais de 40 especialidades (oncologia, neurologia, ortopedia e cardiologia, incluindo transplantes) e conta com 449 leitos, dos quais 47 na unidade de terapia intensiva (UTI).

    "Hoje, o hospital tem importância reconhecida em três áreas: da assistência, dedicada a intervenções de alta complexidade; do ensino, com um corpo clínico altamente qualificado; e da pesquisa, com registro de patentes e produção de mais de 150 trabalhos científicos em 2014", diz Paulo Chapchap, superintendente de estratégia corporativa do Sírio-Libanês.

    "Nos últimos seis anos, investimos perto de R$ 1,4 bilhão, o que nos permite uma atualização tecnológica permanente. Significa, também, que adquirimos alguma relevância para resolver problemas nacionais na área de saúde", diz o executivo, assinalando que pelo menos 5% da receita provem de pacientes que vem de fora do Brasil, da América Latina, África e Europa, que buscam tratamento para câncer, medula óssea e cardiologia.

    Com 117 anos, concebido por uma associação de alemães que tinham o intuito de retribuir o acolhimento dos imigrantes que chegaram a São Paulo por volta de 1860, o Hospital Oswaldo Cruz é considerado um dos melhores da capital na prestação de assistência médico-hospitalar. Desde 2009 faz parte do seleto grupo que possui a Joint Commissional International, principal certificadora no mundo em saúde, que lhe abriu as portas para ser contratado por grandes seguradoras internacionais para receber pacientes estrangeiros. Hoje tem 127 leitos de internação, 44 leitos de UTI e tem à disposição 22 salas cirúrgicas. Seu corpo de colaboradores, entre médicos e funcionários, soma 2.250 pessoas.

    Nossa estratégia foca o crescimento em três pilares de negócios: prestação de serviços do hospital na saúde privada, a geração de conhecimento em saúde por meio do instituto de educação e ciências e a responsabilidade social em parceria com o Ministério da Saúde", destaca Paulo Vasconcellos Bastian, superintendente executivo do Oswaldo Cruz.

    Prestes a completar 60 anos, o Hospital Albert Einstein, de acordo com Claudio Lottenberg, oftalmologista e presidente da instituição, consolida-se como um sistema de saúde integrado, oferecendo serviços de qualidade em todas as frentes de atuação na área da saúde, desde promoção, prevenção e diagnóstico, até tratamento e reabilitação. São 717 leitos, dos quais 41 UTI, cerca de sete mil cadastrados, 10,6 mil funcionários e uma receita brutal total de R$ 1,8 bilhão em 2013.

    Com investimentos importantes em pesquisa, treinamento e apoio à melhoria do sistema público de saúde, a instituição também atua em parcerias com o sistema público de saúde administrando o hospital Moysés Deutsch, no subúrbio de M'Boi Mirim, quatro Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), 13 unidades básicas de Saúde (UBS) e um Centro de Atenção Psicossocial para a Prefeitura do Município de São Paulo." No atendimento aos pacientes, mesmo através de procedimentos mais complexos, nem todos os serviços têm fins lucrativos ", diz Lottenberg.

    Fundado em 1955, o Hospital 9 de Julho, atualmente controlado pelo grupo Amil, tornou-se, igualmente, referência em medicina de alta complexidade, focando seus investimentos no atendimento a traumas, incluindo médicos especializados em queimados, neurologia, cardiologia e clínica da mulher e longevidade. Conta com dois mil colaboradores, quatro mil médicos cadastrados e um complexo hospitalar com 318 leitos, sendo 78 nas UTIs. Foi uma das primeiras instituições a adquirir o sistema robótico Da Vinci, para cirurgias realizadas por robôs.

    " Estamos em busca contínua por opções diagnósticas e tratamentos minimamente invasivos, mas nos especializamos também para tratamentos diferenciados, como no caso de doenças altamente contagiosas e letais, como de ebola ", explica Alfonso Migliore, diretor do 9 de Julho.

    Claro, também existem bons hospitais na rede pública do município de São Paulo, atesta o secretário municipal de saúde José de Filippi Júnior."Temos 18 hospitais municipais e 32 estaduais, e estamos trabalhando com várias esferas de governo para criar realmente um polo de saúde para prestação de serviços de assistência médico-hospitalar e de odontologia. Afinal, São Paulo já é hoje um polo de atração de turistas na área de saúde", diz.

    Segundo o secretário, até o ano que vem a rede de saúde do município contará com mais três hospitais que estão em construção na periferia da cidade. Cada um vai custar R$ 200 milhões, e mais R$ 10 milhões mensais para sua manutenção.

    Para Lincoln Moura Junior, sócio-diretor da consultoria global Accenture, o mercado brasileiro de saúde já atingiu um tamanho próximo ao de países desenvolvidos, mas ainda enfrenta hiatos importantes de qualidade. Além de gastar apenas 5% do Produto Interno Bruto (PIB) em saúde, o Brasil tem desafios por conta de questões fundamentais, como o do envelhecimento de sua população, o compartilhamento de dados dos pacientes entre agentes privados e públicos e a gestão e planejamento da rede de saúde." É preciso que os diversos sistemas de saúde do país, incluindo os hospitais públicos e privados, atuem mais integrados e com um maior grau de eficiência, e não fragmentado como atualmente ", diz o consultor.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)